« Home | Reportagem do Cinemusicorium: II Congresso Interna... » | PASSATEMPO CINEMUSICORIUM / CLUBE DE VIDEO AVENIDA... » | Emissões de Junho / Julho / Agosto de 2006 » | Emissões Maio de 2006 » | Bleu - Blanc - Rouge » | Cinemusicorium: história e próximos passos » | Emissões Fevereiro / Março / Abril de 2006 » | Dezembro de 2005 e Janeiro de 2006 » | Novembro 2005 » | Mês compositor John Williams » 

Emissões de Setembro / Outubro / Novembro / Dezembro de 2006




25 de Dezembro de 2006 - "O Fugitivo" (James Newton Howard)
18 de Dezembro de 2006- "Mar Adentro" (Alexandro Amenabar) com o ouvinte João Cavaleiro
11 de Dezembro de 2006 - "O Nome da Rosa" (James Horner)
4 de Dezembro de 2006 - "Quo Vadis" (Miklos Rozsa)

27 de Novembro de 2006 - "Desperado" (Robert Rodriguez)

20 de Novembro de 2006 - Especial realizador Brian dePalma / compositor Pino Dimaggio

13 de Novembro de 2006 - "Face Off"

6 de Novembro de 2006 - "De tanto bater o meu coração parou" (Alexandre Desplat) - em emissão conduzida por João Vaz
30 de Outubro de 2006 - "Entrevista com o vampiro" (Elliot Goldenthal)

23 de Outubro de 2006 - "Disponível para amar" - com a presença da colega da RUC Ana Vale do Rio

16 de Outubro de 2006 - "O advogado do diabo" (James Newton Howard)

9 de Outubro de 2006 - "Romeu e Julieta" - com a presença da colega da RUC Edite "Burton" Queiroz

2 de Outubro de 2006 – documentário “Hlemmur” (Sigur Rós) – com presença do ouvinte João Cavaleiro
25 de Setembro de 2006 – “Estrada para Perdição (Thomas Newman) - com a presença do ouvinte Rui Craveirinha

18 de Setembro de 2006 – “Titanic” (James Horner)

11 de Setembro de 2006 – “Predador” (Alan Silvestri)



A Revista de Cinema "PREMIERE" destaca, na sua edição de Outubro, na crónica "Gente e Negócios" na página 77, o Cinemusicorium, referindo-se ao nosso programa como "projecto único em Portugal". Aqui apresentamos a versão integral da entrevista concedida por Vasco Otero ao repórter da "Premiere" Basílio Martins:


Qual a formação e o percurso do Vasco? Fez alguma aprendizagem em música?
Sou Psicólogo do Trabalho e das Organizações. Nasci e actualmente trabalho em Cantanhede, mas vivo em Coimbra. Relativamente a música "arranho" a guitarra de vez em quando e já tive uma banda rock. Nunca tive formação clássica, falta-me a paciência talvez...


Como nasce a sua paixão pelas bandas sonoras?
Sou admirador de bandas sonoras desde criança, mas apenas quando o meu irmão, João Vasco Costa que é também grande fã de música de cinema, uma vez, mostrou-mo os nomes de autores (compositores) de certos temas míticos do cinema e fiquei interessado, verdadeiramente apaixonado por este meio. Actualmente tenho em casa cerca de 200 Cds...


E como nasce o Cinemusicorium?
A ideia ou conceito do "Cinemusicorium" nasceu ainda antes de entrar para a RUC há quase 4 anos atrás. Foi depois amadurecida com a colaboração de colegas de um magnífico site de bandas sonoras onde tenho privilégio de colaborar e trocar opiniões (www.scoretrack.net). Foi já durante a formação inicial que apresentei a proposta concreta, aproveitando o facto de já colaborar no programa de cinema da altura o "Cinemascópio" com Cláudia Duarte, João Vaz e Cátia Faísco.
A primeira emissão foi a 28 de Agosto de 2004 e, desde então, estamos no ar, todas as segundas-feiras, sempre no mesmo horário (segundas-feiras das 20h às 21h, logo após o mítico "Santos da Casa" do Nuno Ávila e Fausto Silva e do "Prognósticos").
O programa pode ser ouvido na frequência de 109.0 mhz ou através da internet a partir de www.ruc.pt em emissão on-line. Recentemente cheguei às 100 emissões. Apenas tenho "férias" quando há transmissão de algum jogo de futebol da Académica de Coimbra, cujos relatos na RUC são verdadeiramente hilariantes.


Quais os compositores que já entrevistou?
Este ano entrevistei num congresso de bandas sonoras o meu compositor preferido: Basil Poledouris ("Conan e os Bárbaros", "Caça ao Outubro Vermelho", "Amanhecer Sangrento", "Starship Troopers", "Ases pelos Ares"). Também entrevistei John Frizzel ("Ghost Ship", "Alien Ressurection"), John Ottman ("Suspeitos do Costume", "Superman returns") e John Debney "Paixão de Cristo"). Esse congresso anual realizado em Úbeda, na região de Andalucia, em Espanha, foi espectacular. Á noite fizeram um concerto conduzido por estes compositores, com uma orquestra e um enorme coro em que interpretaram temas conhecidos de música de cinema. E sob a batuta de Poledouris interpretaram a banda sonora de "Conan e os Bárbaros" enquanto o filme era visto num ecrã gigante.
Já entrevistei também o brilhante compositor português Bernardo Sassetti ("Alice") quando esteve este ano em Coimbra no Teatro Académico de Gil Vicente! E proximamente vou ter em estúdio o José Duarte, pai do jazz português com vários programas de rádio ("5 minutos de jazz") e televisão). Por outro lado, também o blog www.cinemusicorium.blogspot.com tem tido muitas visitas. Estou inclusive a pensar em organizar mini-concertos em directo no estúdio de grupos que interpretem temas de bandas sonoras ou quem sabe com os próprios compositores!


Quais foram as entrevistas mais marcantes? E quais as revelações mais empolgantes feitas pelos compositores?
Sonho mesmo seria entrevistar e/ou ter em estúdio a acompanhar a evolução de um filme musicado por eles, explicando o significado dos temas, John Williams ou Ennio Morricone. Quem sabe um dia...
Revelação mesmo foi mesmo a reforma de Basil Poledouris, uma pena! Ele que teve o azar de fazer grandes bandas sonoras para filme medíocres. E é pena que as pessoas só elogiem bandas sonoras boas quando o filme também é bom.


Tem algum critério para a selecção dos excertos de bandas sonoras que
passa no programa, ou mesmo para a escolha dos filmes?

Critérios para a selecção passam exactamente pela forte conjugação entre imagem e som no cinema, algo identificável no filme. Há muitos exemplos... A cena do chuveiro de "Psycho", realizado por Alfred Hitchcok e musicado por Bernard Herrman. O duelo final a três em "O Bom, o Mau e o Vilão" da dupla realizador Sérgio Leone / compositor Ennio Morricone. A chega de Dracula a Londres em "Dracula de Bram Stoker" realizado por Francis Ford Coppola e musicado pelo polaco Wojciech Kilar (é a minha banda sonora de eleição). E a cena de batalha de abertura de "Conan e os Bárbaros"), um exemplo filme médio com uma banda sonora fantástica de Basil Poledouris.
Mas a cena, que em criança, me despertou para a grandiosidade e importância para o filme da sua música ou original score, foi a cena final de "Salteadores da Arca Perdida" musicada por John Williams! Mais recentemente também apreciei em "Kill Bill II", o confronto entre a noiva Beatrix Kiddo (Uma Thurman) e Elle Driver (Dayl Hannah).



Conta com algum tipo de apoios?
Apoio financeiro não. Na RUC essa questão nem coloca e ainda bem, isso não funcionaria. A RUC é uma rádio especial com muita qualidade, inovação e prestígio a nível nacional, estar cá já me basta. Na sua grelha todas as ideias entram, para mim isto é serviço público a sério.
Vou agradecer sempre a oportunidade que me deram. Foi um sonho que se tornou projecto. Conto com o apoio e incentivo dos colegas da rádio e ouvintes. A motivação e apoio da família e amigos também têm sido fantásticos! Para eles o meu agradecimento, pois às vezes não se tem tanto tempo para estar com quem se gosta.



Foi bem recebido pela comunidade universitária? Recebe feedback do
público?

Acima de tudo de colegas da RUC, ouvintes que ligam para o passatempo e candidatos a membros da rádio que parece que têm referido muito "Cinemusicorium" como sendo do seu agrado. Acima de tudo dizem-me uma coisa: que é inovador. E parece que é verdade, pois já pesquisei muito, ouvi várias rádios e, infelizmente, (porque acima de tudo gosto de bandas sonoras de cinema) não encontrei nada. Nem mesmo na Antena 2. Mas a originalidade não é só minha, também dos ouvintes.
Aproveito para contar um momento caricato que sucedeu no Cinemusicorium. Num especial que fiz antes da estreia mundial do novo episódio da "Guerra das Estrelas" "Episódio III: Vingança dos Sith", em que tendo já o CD da banda sonora, eu e um convidado imaginamos como seriam as sequências do filme a partir dos temas da banda sonora, foi quase uma investigação sonoro-visual! Um pormenor muito engraçado foi o facto de o convidado se ter mascarado de "Darth Vader", o vilão da saga, com fato, máscara, voz! Isto atraiu vários mirones a essa divertida emissão.



Tem alguma ideia dos valores da audiência do programa, e do tipo de
público que alcança?

Não tenho dados fidedignos. Mas há um facto revelador. Acontece que há uns meses atrás lancei um passatempo que surge no final de cada emissão em que os ouvintes são desafiados a descobrir a que filme pertence um tema da sua banda sonora que passo. Os ouvintes contactam-me telefonicamente em directo e ganham uma participação numa emissão do "Cinemusicorium" com uma banda sonora / filme à sua escolha, com a sua presença em estúdio, nesse caso num programa de conversa a dois. Ganham também um DVD oferta do Clube de Vídeo Avenida. Ora, tem existido uma adesão crescente quer de ouvintes, quer de colegas da RUC para participar e não quero acreditar que seja apenas pelo DVD (risos).



Acredita existir público para ser possível realizar e emitir programas deste género a nível nacional?
Já me disseram que é arriscado fazer este programa, na medida em que na rádio não existe a componente visual… Mas é exactamente aí que está o desafio mais interessante: tentar fazer com que o ouvinte, a partir da música e da descrição verbal que eu faço das sequências do filme, recorde, imagine ou visualize mentalmente todo o filme. O som apresenta a imagem e a música traz-nos cinema. Se é possível com o público de Coimbra, obviamente será possível a nível nacional. Falta o convite, mas porque não?



Sendo a banda sonora um elemento fundamental da cinematografia, acha que ela é menosprezada pelas editoras discográficas, que nem sempre apostam na divulgação deste género de música? Ou mesmo pelos críticos de cinema na apreciação dos filmes?
Julgo que toda a gente se lembra de boas bandas sonoras. Boas no sentido em que sinalizam os filmes ou determinadas sequências ou cenas dos filmes. São aquelas que ficam no ouvido e que nos fazem sair da sala de cinema a cantarolar o tema principal. Por outro lado, é visto como um género menor pela indústria discográfica, julgo que se ache que sem o filme, apenas com o CD não são facilmente comercializáveis.
Embora o mercado apresente muitas bandas sonoras cheias de temas pop-rock, onde muitas vezes é mais importante promover um grupo do que conjugar som e imagem, surgem também algumas editoras especializadas nos scores (música incidental do filme) como a Várese. É preciso saber pesquisar, porque há diferenças entre "Music from the motion picture", "Original score", "Music inspired from", etc.
Alegra-me ver por exemplo música dos scores utilizada em publicidade, fogos de artifício, apresentações de grandes eventos, enfim, fora do seu mundo meramente cinematográfico provando que têm vida para além disso.



O Cinemusicorium já tem mais de cem emissões, o programa está para
durar? O Vasco Otero tem outros projectos em vista?

Sim. No âmbito das celebrações do 20º aniversário da RUC estou a organizar um evento especial, juntamente com a equipa do actual programa de cinema da RUC, o "Suspeitos do Costume", da qual fazem parte também Inês Patrão (presidente da RUC), Edite Queiroz e António Mortágua. O evento será, no fundo, a passagem do "Cinemusicorium" para um espectáculo ao vivo. Consistirá na interpretação de temas de bandas sonoras de cinema pela Orquestra Clássica do Centro e o Coro Misto da Universidade de Coimbra no Teatro Académico de Gil Vicente em Coimbra, também com participação de um grupo de teatro. Serão mais de 100 músicos em palco. Em princípio lá para Março de 2007. Contará com a minha apresentação/introdução de cada tema explicando qual a sequência do filme que é acompanhada por cada tema da banda sonora. Luzes, câmara, acção e... banda sonora.



Qual julga ser a melhor parceria (realizador/compositor)? E qual considera ser a melhor banda sonora de sempre?
É difícil, há muitos... Talvez escolhesse John Williams / Steven Spielberg por "Tubarão", que foi uma banda sonora que mudou a história do cinema, através da utilização do condicionamento pavloviano na 7ª arte. No que diz respeito ao cinema de hoje em dia, destaco M. Night Shyamalan e James Newton Howard. A melhor banda sonora de sempre, para mim, é a que o polaco Wojcieh Kilar fez para "Dracula de Bram Stoker", realizado por Francis Ford Coppola. Mas a minha preferida é a de "Conan e os Bárbaros" de Basil Poldouris, por se tratar de uma banda sonora brilhante para um filme medíocre.

Links to this post

Criar uma hiperligação


Cinemusicorium

  • Todas as 2as feiras, entre as 20h e as 21h, na antena da Rádio Universidade de Coimbra, em 107.9FM ou via ruc.pt/emissao.php ... O Cinemusicorium realiza semanalmente o relato audio e verbal descritivo de uma obra da sétima arte em cada emissão, assim como a apresentação dos reis da música de cinema: os compositores! Luzes, câmara, acção e... banda sonora por favor! Cinemusicorium: onde o som apresenta a imagem e a música nos traz cinema!
  • Locutor: Vasco Otero
  • Email:
  • Morada/Address:
    Programa Cinemusicorium
    RUC, Apartado 1178
    3000-315 Coimbra
    Portugal
[ perfil ]

Linques

Programas da RUC

Programas Antigos

Blogs de RUCianos

Extra Extra Extra

    Visitas desde 01-Jan-2005
Powered by Blogger
and Blogger Templates
design by Dave Shea